“Rui Moreira revelou-se um populista movido pela vaidade infinita”

image

Artigo de opinião de Adriano Campos, candidato do Bloco nas listas à Câmara Municipal do Porto

UM GUIA PARA COMPREENDER RUI MOREIRA

Ungido há 4 anos como o anti-Menezes, Rui Moreira consolida agora o seu projeto cesarista, centralista e populista de poder. Faltando pouco mais de um mês para as eleições autárquicas, vale a pena perceber o que nos espera.

O poder é uma aventura

Engana-se quem vê em Rui Moreira um homem avesso ao poder. É certo que, até 2013, não há no percurso deste filho acarinhado da burguesia portuense qualquer exercício legitimado de mandato popular. O berço que lhe garantiu fortuna haveria de lhe assegurar uma vida livre de apertos ou deveres profissionais antes dos 40. Mas não há sossego que não se acabe. O cargo de Presidente da Associação Comercial do Porto e a incursão pelo comentário desportivo garantiriam a inscrição de Rui Moreira no cenário político. O reconhecimento popular clubístico e o poder social projetado por uma gongórica associação patronal: disto se fez a disponibilidade de Moreira, ofertada à direita portuense ao longo de anos.  

Continuar a ler

Anúncios

“Para quem vive do seu salário, alugar um simples T1 no Porto é quase impossível.”

111

Em resposta às imensas questões que têm chegado à campanha do Bloco de Esquerda, João Teixeira Lopes afirma o seu compromisso com o direito à habitação no Porto. O candidato do Bloco respondeu esta quarta-feira a muitos eleitores, criticando o modelo de cidade impulsionado por Rui Moreira e Manuzel Pizarro nos últimos anos.

“Hoje é mais fácil a quem vem de fora alugar um apartamento no Porto para passar um fim-de-semana do que a quem vive, trabalha ou estuda na cidade encontrar uma moradia permanente. O Porto perde milhares de habitantes todos os anos mas as rendas aumentam: isso chama-se especulação. O aumento desproporcional das rendas nos últimos dois anos põe em risco o direito à habitação da larga maioria da população que não tem casa própria.”

Continuar a ler

Trabalho é trabalho, Rui Moreira é Conhaque.

9999

Reproduzimos aqui  a notícia avançada pelo ECO que dá conta da preocupante baixa taxa de execução  apresentada pela Câmara Municipal do Porto em matéria de fundos europeus.

A Câmara Municipal do Porto só tem 13 candidaturas aprovadas no âmbito do Portugal 2020, sendo que mais de metade está parada, sem qualquer execução, apurou o ECO. Além disso, o Porto não beneficiou do acelerador de investimento municipal, uma ajuda dada às câmaras que lhes permite ter um apoio maior aos investimentos em reabilitação e desenvolvimento urbano. Um cenário que contrasta com as críticas do Presidente da Câmara Moreira à ausência de fundos.

Continuar a ler

Pedro Lourenço é o candidato do Bloco à União de Freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde

pedro.jpg

Pedro Lourenço tem 30 anos, é dirigente do Bloco de Esquerda e bolseiro de investigação e doutorando em Ciência Política nas Universidades de Aveiro e da Beira Interior

Natural do Porto, Pedro Lourenço concluiu o Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas na Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto em 2009, onde foi também dirigente estudantil. Entre 2010 e 2015, desempenhou as funções de farmacêutico no Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho, tendo-se licenciado em Ciência Política pela Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho, na mesma altura.

Tem dedicado o seu ativismo na cidade do Porto a causas como a habitação, as salas de consumo assistido, a mobilidade em bicicleta ou a transparência.

Campanha no Bairro do Cerco com João Teixeira Lopes

A campanha do Bloco percorreu hoje o Cerco, maior bairro da cidade do Porto. Muitos equipamentos fechados, pessoas esquecidas e que sofreram recentemente com os aumentos de rendas ilegais decididos por Rui Moreira e Manuel Pizarro.

A primeira proposta do Bloco de Esquerda no executivo municipal será o cumprimento da lei, revertendo estes aumentos abusivos e protegendo as pessoas.